Google+ Badge

quinta-feira, 31 de março de 2011

Ricardinho é um dos coordenadores da Frente dos Vereadores Metropolitanos







 
Ricardinho em reunião da frente parlamentar




                                           clique na imagem para visualizar todas as fotos



Na 6ª Reunião da Frente dos Vereadores Metropolitanos (FREVEM), realizada esta segunda-feira na Câmara Municipal de Belo Horizonte, o secretário de Estado de Gestão Metropolitana Alexandre Silveira apresentou aos parlamentares as diretrizes do Estado para a região. Os 42 vereadores presentes, de 21 cidades da RMBH, cobraram a revisão do Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado (PDDI) e elegeram os coordenadores das microrregiões. O presidente da CMBH, Léo Burguês (PSDB), permanece como coordenador da Frente.
Para o Vereador Ricardinho é de suma importância ampliar o debate referente aos temas metropolitanos, a frente metropolitana de vereadores poderá desenvolver um amplo debate em relação a temas diversos, que extrapolam as fronteiras de nossas cidades, mas que são cada vez mais comuns.
O governador Anastásia demonstrou com a criação da Secretaria de Estado de Gestão Metropolitana sua sensibilidade com as questões relacionadas com a metrópole, o vereador acredita que o estado através da Secretaria e da Agência Metropolitana, deverá neste momento eleger algumas demandas e efetivar intervenções imediatas, para demonstrar de forma empírica a intenção do estado.
Ricardinho acredita que os desafios são enormes, e entre estes desafios propôs ao secretário de Estado Alexandre Silveira, que faça um estudo das componentes que gera o PIB da região metropolitana, como cada cidade contribui para a consolidação deste PIB e como cada região é contemplada com repasses do ICMS e com investimentos do Estado.

A partir deste estudo propõe que seja feita uma nova equação matemática, para restabelecer uma nova partilha do ICMS na região metropolitana, levando em consideração o papel de cada cidade com suas devidas contribuições, seja como cidade pólo, geradora de renda, trabalho, produtos, insumos; ou seja, ela dormitório com sua força de trabalho, unidades habitacionais, fornecedora de água, reserva ambiental, destinação de resíduos sólidos, estação de tratamento de esgoto, presídios, lazer. Enfim, o que cada região contribui para formação desta riqueza, sendo assim propõe uma melhor partilha do ICMS, e que também o estado promova políticas compensatórias na região metropolitana, para diminuir as desigualdades que assolam a metrópole.
O secretário Alexandre Silveira garantiu que em breve os pré-estudos do PDDI estarão concluídos, colocando-se à disposição para discutir as questões. “O Estado tem que participar de forma ativa da discussão sobre a regulação urbana, para evitar o avanço das ocupações irregulares, do desmembramento e parcelamento inadequado do uso do solo, sob uma fiscalização muitas vezes sem rigor”, destacou. Entre os setores com problemas a serem enfrentados, o secretário citou ainda transporte coletivo e mobilidade urbana, destinação de resíduos, habitação, saúde e segurança.
Para o diretor geral da Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana - Agência RMBH, Camilo Fraga, a atenção à questão metropolitana tem crescido a cada dia com a criação da Secretaria do Estado de Gestão Metropolitana, à qual é vinculada. “É fundamental o diálogo com cada uma das cidades e com o Legislativo Municipal”, completou o chefe da autarquia, criada em 2009.  
                               
                
                                  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua mensagem sobre está matéria.